Notícias

Tel.:(11) 3897-6100

pt
en
es

COUROMODA 2024

Todos os serviços para sua participação na Couromoda.

VIAGEM E HOSPEDAGEM

Oportunidade de atualização com os principais temas do mercado.

CREDENCIAMENTO EMPRESARIAL

Garanta sua credencial para a mais importante feira de calçados da América Latina.

SÃO PAULO PRÊT-À-PORTER

Feira Internacional de Negócios para Indústria de Moda, Confecções e Acessórios.

Notícias da Couromoda

Calçado no Mundo

Notícias do Setor

Colunista

Lançamentos e Moda

Mídia

Facebook
Twitter
Pinterest
[wpavefrsz-resizer]

A marca deve contar uma história e dialogar com o consumidor

“Para vender seus produtos na atualidade, a marca tem que contar uma história ao consumidor e criar um diálogo com ele, através de diferentes canais. Mas, no desespero causado pelo excesso de informações que recebem diariamente, muitos gestores apostam num único canal, investem nele toda a verba disponível ou, ainda, erradamente, adaptam um mesmo conteúdo a diferentes canais, como Facebook, Instagram e You Tube”. A afirmação foi feita pela professora Cláudia Palma, dos cursos de moda e mídias digitais da ESPM Sul (Porto Alegre/RS), durante palestra na Couromoda. 

Segundo Cláudia, a chamada transmídia (técnica de produção e veiculação de mensagens) têm três pilares e auxilia as marcas a comunicarem-se corretamente com os consumidores exigentes e bem-informados. Convergência midiática faz com que a narrativa e a linguagem fluam em diferentes meios. Cultura participativa potencializa o acesso a receptores ativos e produtores de conteúdo, como as redes de fãs, enquanto inteligência coletiva relaciona-se ao imaginário social presente nas principais redes sociais, que faz com o consumidor deseje o que os outros desejam, como o que as blogueiras sugerem.

A história da marca
“Tudo isso, junto, conta a história da marca”, enfatiza a palestrante que citou a Melissa, da Grendene, como exemplo de marca calçadista que construiu uma identidade, um universo e colhe os resultados. “Basta olhar para o produto para saber qual é a marca”, explica Cláudia, sugerindo que esse deve ser o ideal de todas elas.

Como conseguir isso? A professora enfatiza que, na cultura transmidiática, não se constrói uma marca sem a participação dos fãs ou somente com investimento em TV. A palavra chave é gerar conteúdo para diferentes meios. A marca tem que mostrar o que diz e o que faz, sempre. “Mas o conteúdo tem que ser bom, ou seja, tem que fazer o usuário parar, ler, sentir e agir. Por isso, antes de publicar qualquer conteúdo, os gestores devem certificar-se de que ele responde a tudo isso". 

Ações esporádicas e simples, como juntar o logotipo da marca a uma imagem e um texto e postar nas redes sociais, não basta. “É preciso, para contar uma história e manter um relacionamento, planejar, veicular e ter continuidade nas ações, utilizando uma série de linguagens e meios. Leva-se tempo para criar uma identidade e transformar o consumidor em fã”, finaliza a palestrante.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

MAIS NOVIDADES