Notícias

Tel.:(11) 3897-6100

pt
en
es

COUROMODA 2024

Todos os serviços para sua participação na Couromoda.

VIAGEM E HOSPEDAGEM

Oportunidade de atualização com os principais temas do mercado.

CREDENCIAMENTO EMPRESARIAL

Garanta sua credencial para a mais importante feira de calçados da América Latina.

SÃO PAULO PRÊT-À-PORTER

Feira Internacional de Negócios para Indústria de Moda, Confecções e Acessórios.

Notícias da Couromoda

Calçado no Mundo

Notícias do Setor

Colunista

Lançamentos e Moda

Mídia

Facebook
Twitter
Pinterest
[wpavefrsz-resizer]

Abicalçados fará novo pedido ao MDIC

Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados) vai encaminhar ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio (MDIC), nos próximos dias, um novo pedido de revisão da decisão da Equipe de Defesa Comercial, que não encontrou evidências de triangulação das exportações de calçados chinesas ao Brasil e considerou legal, por exemplo, a operação de uma empresa taiwanesa que exporta 94% dos componentes e apenas monta o calçado no Brasil. A informação foi dada, durante coletiva de imprensa realizada pela entidade na Couromoda.

Conforme a entidade, para fugir à sobretaxação imposta pelo governo brasileiro aos seus calçados em 2009, em 2010 os industriais chineses passaram a enviar os produtos desmontados, através de Taiwan e outros países, e com certificado de origem falso, evitando assim a tarifa de importação.

Apesar de estudos indicarem que, no caso da empresa taiwanesa, os componentes representam mais de 90% do custo, quando o limite legal é de 60%, a Equipe de Defesa Comercial teve uma decisão surpreendente, que causou espanto entre os calçadistas brasileiros. “A operação destrói a indústria nacional e o sistema de defesa comercial”, explica o presidente da Abicalçados, Milton Cardoso.

Com o aumento das importações, a indústria calçadista registrou em 2012 queda de 3% na produção e 6% no número de empregos, além de redução de 35% no superávit cambial. Fatores como taxa de câmbio e redução dos embarques à Argentina também (diminuição de 15 milhões de pares) foram determinantes. O varejo calçadista, entretanto, vendeu cerca de 4% mais no ano passado, excedente este que foi de calçados não fabricados no Brasil.

Para Milton Cardoso, as lacunas na legislação brasileira e inexperiência da Equipe de Defesa Comercial são fatores que ‘explicam’ a decisão desfavorável à indústria calçadista, que teve inferido o primeiro pedido de investigação da triangulação, por isso, para o segundo pedido, está reunindo argumentos jurídicos, econômicos e sociais ainda mais consistentes.

Exportações
Em 2012, apesar das dificuldades, alguns mercados tiveram crescimento nos pedidos ao Brasil, como a França, para o qual passaram a ser enviados calçados de maior valor agregado, de até US$ 30,00. “Num cenário ruim, este é um fator positivo”, enfatizou Milton Cardoso. Para 2013, a Abicalçados prevê que o mercado crescerá 6%, muito acima do PIB, que deve aumentar cerca de 1%. Para as exportações, entretanto, o cenário não é muito promissor, devendo os negócios apresentar níveis similares aos de 2012.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

MAIS NOVIDADES