Notícias

Tel.:(11) 3897-6100

pt
en
es

COUROMODA 2024

Todos os serviços para sua participação na Couromoda.

VIAGEM E HOSPEDAGEM

Oportunidade de atualização com os principais temas do mercado.

CREDENCIAMENTO EMPRESARIAL

Garanta sua credencial para a mais importante feira de calçados da América Latina.

SÃO PAULO PRÊT-À-PORTER

Feira Internacional de Negócios para Indústria de Moda, Confecções e Acessórios.

Notícias da Couromoda

Calçado no Mundo

Notícias do Setor

Colunista

Lançamentos e Moda

Mídia

Facebook
Twitter
Pinterest
[wpavefrsz-resizer]

Especialista esclarece sobre mudanças fiscais e seus impactos na área de tecnologia

As mudanças fiscais com impacto tecnológico que já têm data para implementação e algumas tendências neste segmento para o futuro próximo foram os temas abordados por Alex Marques, diretor técnico da Data System – Softwares Inteligentes, durante o Seminário Couromoda. A nova versão da nota fiscal eletrônica (NF-e 3.1) entra em vigor a partir do dia 1º de abril deste ano. Esta evolução no sistema mudará a estrutura das informações, alterará as rotinas operacionais e conferirá ainda mais assertividade nas informações repassadas aos órgãos governamentais. “Para a devolução de produtos aos fornecedores, por exemplo, será necessário constar a chave de entrada da nota fiscal inicial. E será preciso um cupom de devolução para cada produto, diferente do sistema atual”, exemplificou. Outra mudança citada por Marques refere-se aos produtos devolvidos à loja pelos clientes. “Este artigo deve ter uma nova entrada no estoque e para isso será preciso ter o número do cupom fiscal da venda”, detalhou.

A nota fiscal eletrônica para o consumidor (NFC-e), por sua vez, já é obrigatória nos Estados do Amazonas, Acre e Mato Grosso, e deve ser implementada nos demais ainda neste ano. Santa Catarina e Espírito Santo são os únicos Estados que já decidiram não usar esta tecnologia neste momento, pois optaram pelo uso do Emissor de Cupom Fiscal – ECF blindado, um conceito mais seguro que o tradicional. Em relação a NFC-e, em São Paulo, o processo de transição inicia-se no dia 1º de julho. “Esta adaptação pode levar até cinco anos para ser totalmente consolidada, uma vez que as empresas que tem a ECF podem usá-las até acabar a vida útil dos equipamentos. Mas para as novas aquisições, só serão permitidas a NFC-e. É aconselhável, então, esta migração o mais breve possível”, apontou o especialista.

S@T e De Olho no Imposto
O projeto S@T é praticamente igual a NFC-e, com a diferença que há um equipamento específico. As vantagens é que este hardware pode ser levado a qualquer lugar e permite o envio das informações que nele ficam armazenado. “Na NFC-e, a transmissão se dá on-line e requer uma internet de boa qualidade. Já o S@T pode trabalhar off-line, se for necessário. Além do mais ele pode ser utilizado por mais de um caixa e pode-se ter um equipamento reserva em caso de necessidade”, complementou Marques.

Ele também citou o sistema De Olho no Imposto (Lei 12.741), que determina a descriminação de todos os impostos (municipal, estadual e federal) em cada nota emitida. O prazo para se adequar a este sistema é até fevereiro deste ano. “Este processo é fiscalizado pelo Procon, portanto há muita rigidez no controle. Então, é necessário cadastrar-se nele”, afirma. “Em todas estas iniciativas um coisa fica clara: o ECF vai desaparecer em alguns lugares mais cedo e em outros mais tarde”, finalizou Marques.

 

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

MAIS NOVIDADES