Home > Notícias
21/01/2019

Divulgadas informações detalhadas da 3ª edição da Pesquisa Perfil do Varejo Brasileiro do Calçado, patrocinada pela Couromoda

Conforme havia sido anunciado durante a apresentação realizada no dia 13 de janeiro, véspera do início da Couromoda 2019, está sendo disponibilizado hoje no portal mais detalhes e informações sobre a 3ª edição da Pesquisa Perfil do Varejo Brasileiro do Calçado. O estudo envolveu 467 lojas, com mais de 2,2 mil pontos de venda de todo o Brasil. Os dados foram tabulados e apresentados por Airton Manoel Dias, diretor do Fórum Couromoda.

A pesquisa foi patrocinado pela COUROMODA e teve road show nos principais clusters calçadistas brasileiros, como São João Batista, em Santa Catarina; Novo Hamburgo, no Rio Grande do Sul; e Birigui e Franca, em São Paulo.

A apresentação feita na Couromoda 2019 foi muito elogiada por grandes lojistas que estiveram presentes ao evento, que destacaram a relevância dos dados para a tomada de decisão em suas atividades diárias. 

ROTEIRO REALIZADO >
> 15/10/2018 - São João Batista/SC
> 16/10/2018 - Novo Hamburgo/RS
> 25/10/2018 - Franca/SP
> 06/11/2018 - Birigui/SP
> 13/01/2019 - São Paulo/SP (Fórum Couromoda)
Organização e patrocínio: COUROMODA
Apoio oficial: ABICALÇADOS e ABLAC

Confira abaixo mais detalhes e informações levantadas pela pesquisa:

01. ABRANGÊNCIA DA PESQUISA
Quantidade de empresas que responderam > 467
UF’s de localização da matriz das empresas (*) > 22
Cidades de localização da matriz > 194
Cidades de localização dos pontos de venda > 588
Quantidade de pontos de venda > 2.251
* UF’S que não enviaram respostas: TO/SE/MA/AM/RR

02. LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA DAS LOJAS PARTICIPANTES
Sudeste > 61
Sul > 15
Centro-Oeste > 10
Nordeste > 10
Norte > 4
TOTAL > 100%

03. TIPOS DE LOJAS
Femininas > 39
# Multimarcas > 29
Magazines > 19
Bolsas > 5
Masculinas > 3
Infantis > 3
Tênis/Mat.Esport > 2
TOTAL > 100%
Note o crescimento importante das lojas femininas (em 2014, eram 16%) e dos magazines (em 2014, eram 12%). Pesquisas de consumo indicam crescimento na venda de calçados ao consumidor através dos magazines (lojas de calçados/roupas), o que pode justificar esta representatividade maior em 2018.

04. QUANTIDADE DE PONTOS DE VENDA
Empresa com 1 ponto > 50
De 2 a 5 pontos > 35
De 6 a 10 pontos > 9
De 11 a 20 pontos > 3
Mais de 21 pontos > 3
TOTAL > 100%
Num país continental como o nosso, com mais de 5,5 mil municípios, o pequeno varejo calçadista
(1 ponto) é muito importante para efeito da distribuição das fábricas e para atendimento da demanda nacional! Note que 85% das empresas pesquisadas possuem de 1 a 5 pontos!

05. NÍVEL DE FATURAMENTO
# Menos de R$ 100 mil > 32
R$ 151 a R$ 200 mil > 9
R$ 201 a R$ 250 mil > 10
R$ 251 a R$ 300 mil > 13
R$ 301 a R$ 500 mil > 12
Acima de R$ 501 MiI > 7
TOTAL > 100%
Estes resultados têm relação com o quadro anterior, (04), no qual 50% das empresas pesquisadas têm um ponto de venda. Neste quadro, observa-se que 49% faturam menos que R$ 150 mil por mês, conhecidas como “pequeno varejo”.

06. CATEGORIA FISCAL
Simples > 85
Lucro Presumido > 9
Lucro Real > 6
TOTAL > 100%

07. LOJA VENDE TAMBÉM PELA INTERNET OU UNICAMENTE NA LOJA FÍSICA
Física e internet (em 2014: 11%) > 30
Só física (em 2014: 89%) > 70
TOTAL > 100%
Crescem as ações de vendas pela internet. Muitas que responderam “física/internet” não possuem loja digital, mas atendem pedidos de consumidores através de contato pelo site da loja.

08. GESTÃO DIGITAL E SEU IMPACTO NO TAMANHO DOS ESTOQUES MÉDIOS
TIPOS DE GESTÃO > % > ESTOQUE
Programa de terceiros > 35 > 70 dias
Programas próprios > 34 > 83 dias
Planilha de Excel > 21 > 98 dias
Controles manuais informais > 10 > 123 dias
TOTAL > 100% > 85 dias
O varejo manteve durante muito tempo métodos “caseiros” de gestão, o que vem se modificando nos últimos anos. A velocidade das renovações das coleções e a necessidade de controlar melhor os estoques para obter melhores resultados exigem métodos mais eficientes de gerenciamento do negócio. Os resultados da pesquisa mostram que há forte mudança de postura nesse sentido e já é possível ver seus efeitos nos estoques médios das lojas.

09. TAMANHO DOS ESTOQUES
60 dias ou menos > 17
61 a 90 dias > 55
91 a 120 dias > 17
121 a 150 dias > 11
TOTAL > 100%
Confirmando tendência observada na pesquisa de 2014, é nítido o movimento das lojas em reduzir estoques. Essa tendência está sendo provocada, possivelmente, diante da crescente velocidade na renovação de modelos/coleções, exigindo estoques menores, com redução nos riscos de pontas e saldos, sempre vendidos com margens mais baixas.
Estoque médio ponderado é de 85 dias,contra 117 dias apurados na pesquisa de 2014.
Em quatro anos: redução de 32 dias ou 27%.

10. DESPESAS FIXAS E VARIÁVEIS DA LOJA
CATEGORIA FISCAL > SIMPLES > L.PRESUMIDO > L. REAL > MÉDIAS
Despesas fixas > 16,5 > 15,8 > 15,0 > 16,4
Despesas variáveis > 13,5 > 13,1 > 13,6 > 13,4
Não adianta insistir com pontos de venda que não apresentam capacidade para gerar vendas que paguem o seu custo fixo. Se isso estiver acontecendo, reduza e adeque o custo fixo à capacidade de venda do ponto ou conclua que o ponto é inviável comercialmente.
Achar que a solução para pagar o custo fixo depende, apenas, de um mark-up cada vez mais alto pode gerar fuga de fornecedores importantes e agravar ainda mais a situação pela perda de competitividade do ponto, pois mark-up mais alto pode significar preço de venda ao consumidor, também, mais alto!
O quadro a seguir apresenta as médias do mercado, por categoria fiscal. Entendemos que desta forma é possível fazer comparativos mais compatíveis e eficientes. Caso suas médias sejam maiores, sugiro acender a luz vermelha e partir para ações internas em busca rápida dos ajustes necessários.
Importante: não foram considerados ICMS e outros impostos.

11. % DE MARK-UP
Femininas > 127
Multimarcas > 117
Magazines > 118
Bolsas > 119
Masculinas > 126
Infantis > 118
Tênis/Mat.Esport > 115
MÉDIA GERAL > 120%
A pesquisa mostrou grande variedade de informações sobre os mark-up’s utilizados. Dependendo do tamanho da loja, da região onde está localizada, do tamanho da rede e da categoria fiscal, o mark-up pode variar de 100% a 150%.
Na pesquisa de 2014, em torno de 15% dos participantes alegaram trabalhar com mark-up abaixo de 100%. Nesta edição, apenas 5%!
Ponderando-se todas as categorias, tipos de lojas e linhas de produtos, houve um crescimento no mark-up médio geral do mercado de:
2012: 111% - 2014: 116% - 2018: 120%

12. CONVERSA COM 15% DOS LOJISTAS DA PESQUISA
Nesta edição, com a participação da diretoria da Ablac, realizamos contatos telefônicos com aproximadamente 15% dos lojistas que participaram da pesquisa, formulando-lhes três perguntas.
Para reflexão dos representantes comerciais, dos fabricantes fornecedores e de lojistas, apresentamos as cinco citações mais mencionadas, para cada questão.

O QUE O LOJISTA GOSTARIA DE SUGERIR AOS SEUS FORNECEDORES?
1º - Prazo mais curto entre o pedido e a chegada da mercadoria na loja.
2º - Aceitar pedidos menores em pares e maior agilidade na reposição.
3º - Coleção inverno chega cedo e faltam lançamentos para alto-verão.
4.º - Vida mais longa para modelos de meia-estação e novidades para janeiro/fevereiro/março
5º - Ser parceiro na venda/promoção/liquidação dos modelos sem giro.

O QUE VOCÊ FARIA EM SUA LOJA SE TIVESSE CAPITAL PARA INVESTIR?
1º - Reformaria fachada e trocaria vitrines externas por exposição interna.
2º - Atualizaria todos os equipamentos eletrônicos e adotaria iluminação mais clara.
3º - Reformaria lojas atuais e segmentaria a exposição.
4º - Abriria mais lojas e mais filiais menores e segmentadas.
5º - Voltaria a ter crediário próprio para reduzir custos e cuidar do cadastro

O QUE VOCÊ RECOMENDARIA AOS REPRESENTANTES DAS INDÚSTRIAS?
1º - Voltar a nos visitar “como antes” e nos atender mais constantemente.
2º - Conhecer melhor seus produtos, o posicionamento de preço e a concorrência.
3º - Conhecer melhor as filiais e acompanhar o giro de seus produtos.
4º - Ter autonomia para resolver problemas, incluindo decisão de trocas e indenizações.
5º - Acompanhar o pedido, saber informar e manter lojista informado. Responder rápido.