Home > Notícias
18/04/2019

Especialista em projetar cenários futuros, Dietmar Dahmen foi um dos destaques do Congresso Mundial do Calçado

Pela primeira vez na Itália, o World FootwearCongress, de 3 a 5 de abril, escolheu Nápoles e seu rico distrito de calçados como o local de sua sexta edição. De relevância internacional, o evento recebeu oito mesas redondas com 35 palestrantes de todo o mundo e, em relação ao público, mais de trezentos participantes estiveram presentes, vindos de 15 países diferentes, não apenas da Europa, mas também da China, Coreia, América do Sul, Canadá, EUA e Rússia.

Os três macros temas discutidos - o consumidor global conectado e sofisticado; fabricação para uma economia circular; e a próxima geração de comerciantes/varejistas - nos permitiu animar uma proveitosa troca de ideias e reflexões a partir da qual emergiu o imperativo para as empresas que desejam operar com sucesso nos diferentes cenários globais para embarcar no caminho da sustentabilidade e digitalização. Não como ônus, mas como recursos para competitividade e geração de renda.

O programa que acompanhou o trabalho da conferência também foi rico: na quarta-feira, dia 3, visitas ao Instituto Italiano de Pesquisa de Couro, sediado em Kiton, e ao showroom de Mario Valentino. Depois, houve as ocasiões de socialização do coquetel de boas-vindas no clube náutico Rari Nantes, acompanhado de música napolitana e o jantar de gala na localização evocativa do Museu Ferroviário Nacional de Pietrarsa, onde a culinária napolitana era protagonista.

Um dos principais palestrantes da Europa sobre mudança, futuro, estratégias disruptivas, transformações digitais, modelos de negócios inovadores, sucesso focado em vendas, marketing e cliente, Dietmar Dahmen, foi encarregado de aquecer o público no início da sessão de trabalho e de tirar conclusões no final do congresso. O consumidor contemporâneo e a digitalização deixaram de ser uma opção, se tornando imperativo, foram os temas desenvolvidos pelo palestrante.

Se os negócios globais são como uma luta no ringue, a exortação de Dahmer é ser proativa, muito mais do que disruptiva. As palavras-chave para conquistar o consumidor moderno são: fácil, rápido, conectado e divertido. Ou seja: tudo o que facilita a vida do consumidor, tudo que economiza esforço está destinado a ser bem sucedido. "No mundo digital, aqueles que não mudam estão destinados a sucumbir".

Conforme o especialista, a aposta é mirar alto, não se contentar com o simples +2%, mas aspirar a +3400%! "As chaves são paixão, visão, sair das zonas de conforto, melhorar a tecnologia, digitalizar, focar em novas equipes e inovar, sem desencorajar os que têm uma visão pessimista".

Um dos exemplos mais bem sucedidos nesse sentido é Luisaviaroma, plataforma online da boutique florentina homônima, entre as primeiras a contar com a experiência dos antes blogueiros, atuais influenciadores, para criar conteúdo original que seja eficaz na transmissão de comunicação: "Uma estratégia que nos recompensou: - comenta Nicola Antonelli, gestor de projeto web da Luisaviaroma - hoje temos um volume de negócios de 130 milhões de euros, 90% gerado online, graças também ao apoio de uma rede de 1200 influenciadores nos vários países em que operamos".

O futuro é digital: adaptar-se aos desafios que envolve não é mais uma opção, mas um imperativo. É isso que afirma Maria Antonietta Odetti, chefe de desenvolvimento de negócios da Secoo, plataforma chinesa de marcas de luxo que transmite 25% do mercado de luxo na China e 15,4% no mundo "nossa receita para interceptar o consumidor? - comenta - uma conversa omnicanal online e offline, marketing de mídia social, kol e especialistas para oferecer maior visibilidade às marcas, personalização de co-branding, serviços para melhorar a experiência de compra”.

A macrotendência de "fabricação para uma economia circular" traz à tona a discussão sobre sustentabilidade, na qual Claudio Marenzi, presidente da Confederação de Moda; e Graziano Balducci, presidente do Instituto Italiano de Pesquisa sobre Couro, reiteram como as empresas italianas são de fato as mais virtuosas do mundo em termos de sustentabilidade e devem superar apenas os particularismos e aprender a comunicar melhor seus valores.

Dois casos de vanguarda sobre sustentabilidade são os da fábrica de calçados El Naturalista e da fabricante de artigos de couro Belcinto: eles adotaram essa filosofia quando ainda não estavam na moda e encorajaram todos a seguir esse caminho, evitando operações de “greenwashing” que podem levar a efeito bumerangue para aqueles que os realizam.

O segundo dia de discussão centrou-se no tema da próxima geração de comerciantes / varejistas com as histórias de caso de Fratelli Rossetti, Del Pozo e Cariuma, que reafirmam o papel central da comunicação digital como um veículo para promover as vendas online: “O mundo digital não está apenas vendendo online, mas mantendo constantemente a conexão com o cliente, mas sem perder a identidade da marca", explicou Diego Rossetti, gerente geral da Fratelli Rossetti. "Em nossa empresa, estamos atingindo a fase três com a implementação do CRM, gestão de relacionamento com o cliente, para realizar ações de marketing direcionadas e cada vez mais avançadas", completou.

Por fim, o comentário de Cleto Sagripanti, presidente da CEC: “Digitalização e sustentabilidade, os temas centrais desta edição de 2019, representam os desafios e, ao mesmo tempo, as oportunidades que nosso setor terá que enfrentar. Em Nápoles, delineamos as diretrizes para a indústria do futuro".

Leia também:
O inverno de Versace, Saint Laurent e Hermès
Grupo Inditex segue crescendo e atinge faturamento de 26,14 bilhões de euros
McDonald’s e Balenciaga: uma magnífica trolada?
Morre Raymond Massaro, o 'sapateiro do século'