Home > Notícias
06/09/2019

Fashion Pact: moda global se tornando verde

Nas últimas semanas, 32 empresas internacionais de moda e têxtil assinaram o Fashion Pact, uma carta que define uma série de objetivos comuns em termos de sustentabilidade, que foi apresentada no final da cúpula do G7 em Biarritz, na França.

O acordo é composto essencialmente por três objetivos: interromper o aquecimento global, criando um plano de ação para eliminar as emissões de gases de efeito estufa até 2050, a fim de manter o aquecimento global abaixo de 1,5 graus entre agora e 2100; restaurar a biodiversidade, atingindo os objetivos indicados nos parâmetros estabelecidos pela iniciativa “science-basedtarget” (alvo com base na ciência) de restaurar os ecossistemas naturais e proteger as espécies; proteger os oceanos, reduzindo o impacto negativo da indústria da moda nos próprios oceanos, por meio de iniciativas concretas, como a redução gradual do uso de plástico descartável.

Entre os signatários, estavam participantes como Adidas, Burberry, Chanel, Gap, H&M, Inditex e Kering. Vários italianos estavam presentes: Ermenegildo Zegna, Giorgio Armani, Prada e Salvatore Ferragamo.

Em Biarritz, além de Emmanuel Macron, os signatários do Fashion Pact também estiveram presentes. Nos últimos meses, foi justamente o presidente francês que confiou a François-Henri Pinault, presidente e CEO da Kering, a tarefa de reunir e envolver os atores mais importantes do setor de moda e têxtil, com o objetivo de definir objetivos concretos para reduzir a impacto ecológico causado pelo setor.

Leia também:
Federação dos distribuidores e lojistas de calçados dos Estados Unidos apela para que Trump reveja as taxas contra a China
Millennials chineses: Hermès segue como referência da moda, mas não basta mais
LVMH, grupo francês de luxo, doará 10 milhões de euros para combater incêndios na Amazônia
Gigante do segmento de tênis, fabricante Yue Yuen segue retirando produção da China