Home > Notícias
11/10/2019

França: chega a lei “antidesperdício”, que deve afetar o segmento de moda

A França diz não ao desperdício. O Senado francês aprovou a “LoiAntiGaspillage”, ou a lei antidesperdício, como a chamam na França, de modo a favorecer uma economia circular. A lei, apresentada em 24 de setembro, concentra-se mais especificamente em quatro pontos fundamentais, que vão da interrupção do desperdício à conservação de recursos, à mobilização dos industriais para desenvolver novos métodos de produção à conscientização dos cidadãos para fazê-los consumirem melhor até o momento de coleta do lixo. Nesse sentido, portanto, a lei proíbe a destruição de produtos não vendidos, que devem ser reutilizados ou reciclados. A lei será examinada pela Assembleia Nacional e aprovada até o final do ano.

A moda também está entre as “vítimas” da Loi Anti Gaspillage. Conforme relatado o documento “Loianti-gaspillage pour une commie circulaire”, de fato, a proibição também envolve produtos têxteis, que, segundo se lê, são destruídos todos os anos na França na ordem de 10.000 a 20.000 toneladas. Portanto, a proibição de eliminação também se aplica a produtores, distribuidores e plataformas on-line, também pertencentes ao setor de luxo.

O mundo da moda, nos últimos anos, discutiu bastante por causa da prática generalizada de destruir os não vendidos. Entre os casos mais impressionantes, está o da Burberry, que anunciou que havia destruído produtos acabados no valor de 28,6 milhões de libras (mais de 32 milhões de euros) em 2018. Uma prática sobre a qual, no entanto, ela decidiu intervir com estratégias alternativas.

Leia também:
Armani, Fendi, Oscar de la Renta e Tod´s mostram seu verão nas passarelas de Milão e Nova Iorque
Confira uma seleção com os sapatos mais bonitos apresentados pelas principais marcas nas passarelas internacionais
A valsa das licenças de importantes marcas calçadistas na Itália agita o mercado
Lineapelle: uma edição alinhada aos novos tempos do setor coureiro