Home > Notícias
18/10/2019

H&M investe na Sellpy e turbina o mercado de “segunda mão”, que deve chegar a US$ 51 bilhões

O grupo H&M continua investindo na Sellpy, pronta para apoiar o crescimento internacional da plataforma de e-commerce focada em revenda de roupas e acessórios. A H&M começou a investir na Sellpy em 2015 e, desde então, participa de rodadas de investimento com seu braço de investimentos Co:Lab.

Com a mais recente injeção de capital, explica nota da H&M, o grupo sueco “passou de acionista minoritário a acionista majoritário, com uma participação de cerca de 70% na Sellpy”. Esta última foi fundada em 2014 e, desde então, expandiu sua oferta, tornando-se uma plataforma completa para a moda de segunda mão.

Agora, a Sellpy está se preparando para a expansão internacional, começando na Alemanha. A mudança da H&M é a mais recente iniciativa no setor da moda circular. O anúncio foi feito poucas horas depois do comunicado da Farfetch, que iniciou um novo projeto experimental dedicado aos clientes britânicos.

Os usuários podem solicitar uma embalagem para colocar seus itens confiando-os à logística da Thrift+, uma startup especializada em doação de produtos usados, que cuidará da fotografia, precificação, catalogação e venda de roupas e acessórios. Um terço do valor da venda de cada item será doado a uma instituição de caridade escolhida pelo doador, um terço será destinado ao Thrift+ e o restante será transformado em um crédito que pode ser gasto na Farfetch.

Há alguns dias, Burberry lançou um programa piloto oferecerá um ‘prêmio’ às pessoas que vendem grandes nomes da marca britânica no The Real Real. A grife inglesa recompensará os clientes que venderem seus produtos no site. Quem usar a plataforma, receberá um incentivo para novas compras em 18 lojas americanas Burberry, onde terão uma experiência de compra pessoal exclusiva.

O mercado de revendas, segundo o site especializado Thredup, deverá atingir um faturamento de US$ 51 bilhões em 2023.

Leia também:
Foi batizada de Dior Gang a nova linha de calçados da maison francesa, que mergulha nos arquivos dos anos 1950
Mia Becar: marca autoral mexicana, com sede em Los Angeles e produção na Itália
Nike abre a “House of Innovation" em Paris, capital francesa
Marcas de luxo ainda contam os danos dos protestos em Hong Kong