Home > Notícias
12/03/2018

Morre o estilista francês Hubert de Givenchy, ícone da moda mundial

O estilista Hubert de Givenchy, lenda da alta-costura, morreu aos 91 anos, enquanto dormia. A morte aconteceu no sábado, mas seu anúncio só foi feito nesta segunda-feria pela maison Givenchy, que agora é propriedade do grupo francês de bens de luxo LVMH. Seus sobrinhos e sobrinhas compartilham a dor. “O funeral será realizado na mais estrita intimidade”, afirma o comunicado da maison, assinado pela família do estilista. No texto, os parentes informam que, “ao invés de flores e coroas”, Givenchy “teria preferido uma doação ao Unicef em sua memória”.

O estilista nasceu em 1927 em Beauvais, no oeste da França. Filho do marquês Lucien Taffin de Givenchy e de Béatrice de Givenchy. Com dez anos, ao visitar uma exposição de figurinos dos mais famosos estilistas franceses, identificou-se imediatamente com o universo luxuoso da alta-costura. Aos 17 anos foi morar em Paris onde largou os estudos de Direito e cursou a Escola de Belas Artes. Trabalhou nas casas de Jacques Fath, Robert Piguet, Lucien Lelong, Christian Dior e Elsa Schiaparelli. Abriu sua própria Maison e o reconhecimento foi quase que imediato.

Em 1952, apresentou sua primeira coleção de alta-costura, que ficou marcada pela blusa de babados nas mangas, batizada de Bettina, nome da sua principal modelo e também relações públicas da marca. O ano seguinte (1953) foi muito importante para Givenchy, pois conheceu aquela que viria a ser sua musa inspiradora, amiga e responsável por muito de seu sucesso internacional, a atriz Audrey Hepburn. O estilista criou modelos para a atriz, imortalizados em filmes como "Bonequinha de Luxo" de 1961, "Cinderela em Paris" de 1957 e "Sabrina" de 1954. Além de Audrey Hepburn, Givenchy vestiu outras tantas famosas, como Jacqueline Kennedy, Grace Kelly e a duquesa de Windsor.

Foi o primeiro designer de alta-costura a apresentar uma coleção feminina de prêt-à-porter, intitulada "Givenchy Université", em 1954. Em 1957, lançou seu primeiro perfume, o feminino “Le De” e criou o perfume “L'Interdit”, em homenagem a Audrey Hepburn. Em 1973, entrou para o mundo da moda masculina, com o lançamento da linha “Gentleman Givenchy”. Em 1981, a Maison Givenchy foi vendida, sendo que a linha de perfumes ficou com a Veuve Clicquot, e a parte de alta-costura foi para o Grupo Louis Vuitton Moët Hennessy. Atualmente, a Louis Vuitton também é proprietária da linha de perfumes fabricados pela Givenchy.

Givenchy despediu-se das passarelas em 1995, com um desfile para o qual foram convidados apenas amigos pessoais, estilistas e principais clientes. Um ano depois, em outubro de 1996, o também britânico Alexander McQueen foi escolhido como seu sucessor. Sua primeira coleção para a Givenchy foi apresentada em janeiro de 1997 e, em 1998, ganhou o prêmio de melhor designer do “International Fashion Group”.

Quando perguntado sobre seus ídolos na moda Givenchy declarou que seu grande mestre foi o amigo e estilista espanhol Cristóbal Balenciaga. A influência de Balenciaga está presente no espírito de muitas de suas criações e no evidente gosto pela estrutura minimalista das roupas. Givenchy sempre foi uma presença imponente na moda desde que apresentou sua primeira coleção em Paris aos 24 anos. Givenchy se tornou sinônimo de elegância com um glamour despretensioso, de coração nobre e sensível.