Home > Notícias
22/04/2021

Pagamentos digitais e outras tendências para o varejo em 2021 que foram destaques na feira de tecnologia Consumer Eletronics Show (CES)

O Consumer Eletronics Show (CES) é mais do que uma feira de tecnologia. Ao longo de mais de cinco décadas, se posicionou como um dos grandes eventos de inovação e soluções tecnológicas voltadas ao consumo. Nele, as pessoas podem conferir equipamentos e ferramentas que parecem ter saído de um filme de ficção científica, mas que em pouco tempo estarão em nosso dia a dia. Por conta disso, o CES passou a ditar tendências e projetar cenários que impactam o varejo global. Nesse ano não poderia ser diferente. Ainda que tenha ocorrido de forma on-line, dados da Coresight Research apresentados em sua programação antecipam o que vem por aí no setor.

Confira os principais assuntos que vão fazer parte das discussões do varejo nos próximos meses:

1 – Pagamentos digitais

Se o mundo está cada vez digital, não dá para esperar que o consumidor tire a carteira do bolso e conte cédulas e moedas na hora de efetuar o pagamento na compra de um produto ou serviço. Se ele tem a opção de comprar digitalmente, espera poder pagar da mesma forma agora.
Assim, o lançamento de mais opções nesse segmento é uma das principais tendências justamente por trazer a rapidez e a facilidade nas transações. Aproximação, QR Code, programas de fidelidade, carteiras digitais, aplicativos e moedas digitais como utility tokens são recursos essenciais na estratégia de crescimento do varejo.

2 – Bem-estar e lazer

Quando a pandemia de covid-19 avançou em todo o mundo e obrigou as pessoas a ficarem confinadas em suas casas como principal medida de prevenção, nos demos conta da importância que produtos e serviços relacionados ao bem-estar e lazer têm em nosso dia a dia. Quem não sente falta de uma caminhada ao ar livre ou de um happy hour no restaurante? Pois bem, os consumidores irão investir bem mais em produtos e soluções desse tipo nos próximos meses e anos, colocando esse nicho em alta em um mundo pós-coronavírus.

3 – Novas modalidades de compras online

Engana-se quem pensa que o e-commerce foi moda passageira no pico da pandemia de Covid-19 em 2020. O setor soube explorar suas vantagens no cenário de isolamento social e se posicionou como a melhor alternativa de consumo para os cidadãos – até mesmo entre quem se mostrava reticente com esse canal de vendas. A questão é que as opções virtuais se expandiram para além do site da loja. Por conta dessa intensa digitalização, temas como social commerce, lives e outras soluções digitais passaram a ser essenciais na construção da experiência do consumidor nesse ambiente.

4 – Responsabilidade social

O cenário de incertezas provocado pelo avanço da doença também aflorou ainda mais a percepção de responsabilidade social das pessoas. Agora, os consumidores querem saber como a marca se posiciona em relação aos recursos naturais e, principalmente, como apoia seus colaboradores e a própria comunidade em que está inserida. O comprometimento com essas causas irá se manter forte nos próximos meses e anos – e eles ficarão mais atentos às ações da empresa em prol de impactos positivos.

5 – Cadeia de suprimentos flexível

As mudanças não são apenas comportamentais ou restritas ao consumidor final. O varejista precisa entender que a transformação ocorre no próprio ecossistema em que está inserido. O jeito de fazer negócios não vai ser mais o mesmo e é preciso se adaptar aos cenários. A tendência, portanto, é investir cada vez mais numa cadeia de suprimentos flexível, permitindo que a companhia possa se adaptar a qualquer situação que aparecer e, principalmente, identificar possíveis correções de rota sem afetar a rentabilidade e a produtividade da organização.

Cássio Rosas – Head de Marketing e Estratégia da WiBOO, utility token que promove um programa de fidelização entre varejistas e consumidores por meio de moedas digitais