Home > Notícias
29/10/2019

Protagonismo português

Aruba, Honduras, Mauritânia, Nepal ou Uzbequistão. Estes são apenas cinco dos novos destinos do calçado português. Na última década, as exportações portuguesas de calçado atingiram 43 novos mercados. Atualmente, Portugal exporta, por ano, mais de 80 milhões de pares de calçado para 163 países. No mesmo período, as exportações aumentaram 47% para 1904 milhões de euros. No entanto, há novos dados a serem considerados.

Em 2008, a França (345 milhões de euros em exportações), a Alemanha (263 milhões de euros), os Países Baixos (159 milhões de euros), o Reino Unido (127 milhões de euros) e a Espanha (123 milhões de euros) foram os cinco mercados mais relevantes. No geral, a Europa representou mais de 92% das exportações portuguesas de calçado. Uma década depois, o cenário mudou significativamente.

Embora a França, a Alemanha e os Países Baixos continuem a ser os principais mercados de referência, os mercados externos (representando 14% das exportações em 2018) são agora a força motriz do crescimento do calçado português. As exportações no exterior aumentaram 177% (praticamente dobraram seu peso relativo) na última década, e mercados como os EUA (crescimento de 536% para 70 milhões de euros até o final de 2018), Canadá (crescimento de 367% para 31 milhões de euros), Rússia (Crescimento de 90% para 28 milhões de euros) e China (crescimento de 1105% para 23 milhões de euros) tornaram-se a promessa de um futuro melhor para o calçado português.

Em volume, o aumento das exportações é menos expressivo, mas não menos importante. Em 2018, Portugal exportou 83,8 milhões de pares de calçados, mais 29,6% do que uma década antes. Para que isso seja possível, é importante destacar o crescimento do número de empresas na última década: de 4,9% para 1476 empresas.

Empregos
O número de trabalhadores também aumentou 11,9%, para 39.603 colaboradores em 2018. De 2008 a 2018, foram criados aproximadamente 400 mil novos empregos por ano, apenas dentro da indústria de calçados. Os números são ainda mais expressivos se se considerar todo o cluster, nomeadamente no setor dos componentes de calçado (35% de crescimento para 5514 empregados) e em artigos de couro (mais de 48% para 1871 trabalhadores), onde foram criados mais de 2000 novos postos de trabalho.

Ainda no contexto do comércio exterior, é importante destacar o setor de artigos de couro e selaria. Em uma década, as vendas no exterior triplicaram (de 51 para 153 milhões de euros), com a Espanha (55 milhões), a França (34 milhões) e a Itália (7 milhões) como mercados de referência.

O setor de componentes para calçados também fortalece seu processo de internacionalização com vendas de até 54 milhões de euros até o final de 2018 (crescimento de 20% em uma década). A Alemanha (11,6 milhões de euros), a França (10,4 milhões) e a Espanha (9,5 milhões) são os principais destinos.