Home > Notícias
20/12/2019

Tunísia: era uma vez o calçado

50% da indústria de couro do país norte africano desapareceu dentro de uma década. O anúncio foi feito por Akram Belhaj, presidente da Fédération Nationale du Cuir et de la Chaussure local. Entrevistado pela revista africanmanager.com, Belhaj explicou que "atualmente, nas lojas do nosso país, encontramos produtos falsificados. Mas, para valorizar o produto fabricado na Tunísia, devemos impor a origem dos produtos, permitindo que o cliente saiba o que está comprando”.

Segundo dados fornecidos pela associação, em 2009 a indústria tunisiana era composta por 480 empresas. Atualmente restam 251. Aproximadamente metade. No detalhe: 12 são fábricas de curtumes, 167 fábricas de calçados e 72 fábricas de artigos de couro. A nível de emprego, o número de funcionários passou de 60-70.000 em 2010 para 36.800 em 2017 (último dado disponível).

Entre as dificuldades relatadas pelos empresários do setor, destaca-se a "dramática escassez de mão de obra qualificada, matérias-primas locais e equipamentos tecnologicamente adequados". Além disso, há também as tensões sociais e a falta de respeito aos regulamentos por parte de alguns produtores. E não é só isso. Segundo os especialistas, a falta de controle pelas autoridades também é um fator. E as importações ilegais, principalmente de calçados e artigos de couro, são preocupantes.

Leia também:
A união faz a pesquisa
Lançado o tênis Louis Vuitton LV 408s, homenagem a cidade francesa de Paris
Amina Muaddi foi a escolhida para criar os sapatos da Fenty Rihanna
Grife Manolo Blanik fecha sua icônica loja em Nova Iorque