Home > Notícias
09/01/2019

Vendas nas lojas de calçados do Brasil crescem 2,6%, revela Ablac

Segundo a Associação Brasileira de Lojistas de Artefatos e Calçados (Ablac), as vendas no setor cresceram 2,6% ano passado. Para 2019, a estimativa é de um incremento ainda maior: 3%. Pela primeira vez nos últimos três anos, o calçado ganha relevância no compartivo com itens como alimentação dentro do lar e vestuário. As lojas de calçados (de rua ou em shoppings) também voltaram a incrementar sua participação no mercado, superando magazines e lojas de vestuário. Esta performance ganha ainda mais importância na medida em que o ano passado foi marcado por fatores dificuldadores para o comércio, como o número recorde de feriados, a Copa do Mundo de Futebol, as eleiçoes presidencais e a greve dos caminhoneiros.

Dois em cada três brasileiros acreditam que a economia vai melhorar em 2019
Pesquisa do Datafolha mostra que o otimismo do brasileiro com a economia disparou e está em níveis recordes. Segundo o levantamento, divulgado em dezembro, 65% dos entrevistados acham que a situação econômica do Brasil vai melhorar nos próximos meses. No levantamento anterior, realizado em agosto, apenas 23% afirmavam isso. Esse é o índice mais alto da série histórico do Índice Datafolha de Confiança, que começou em 1997. A allta de é de 42 pontos percentuais na comparação com o último levantamento. Na consulta sobre a situação econômica pessoal, 67% preveem que irá melhorar nos próximos meses, confirmando o otimismo generalizado.

Superavit de US$ 58,3 bi é segundo melhor desde 1989
As contas externas do Brasil fecharam o ano no azul. Bem no azul, diga-se de passagem. Segundo dados divulgados pelo Governo Federal, a balança comercial brasileira encerrou 2018 com saldo positivo de US$ 58,3 bilhões. Este é segundo melhor desempenho desde 1989 e o maior desde 2014. No ano passado, as exportações cresceram 9,6%, totalizando US$ 239,5 bilhões. Em nota oficial, o Ministério da Economia salienta que o crescimento entre 2017 e 2018 das exportações é consequência tanto do aumento dos volumes embarcados (4,1%), quanto dos preços (5,1%). O saldo contabiliza a diferença entre as exportações (US$ 239,5 bilhões) e as importações (US$ 181,2 bilhões), que também cresceram no período.

Mercado estima para 2019 maior crescimento do PIB desde 2014
E as boas notícias seguem em profusão no Brasil nos últimos dias. Os analistas de mercado projetam que o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), soma de todos os bens e serviços produzidos no país e que serve para medir a evolução da economia, será de 2,55%, superior a estimativa anterior, que era de 2,53%. Em se confirmando a expectativa, seria o maior crescimento do índice nos últimos quatro anos. Após a contabilização final dos dados, 2018 deve registrar incremento do PIB de 1,30%. Os economistas dos bancos também não alteraram a previsão de expansão da economia para 2020 e para 2021 – que continuou em 2,5%.

As vendas de Natal em shoppings centers pelo País cresceram 5,5%
As vendas de Natal em shoppings centers pelo País cresceram 5,5% este ano – dentro da expectativa do mercado, que ia de 4% a 6%. Os dados são de um levantamento da Associação Brasileira de Lojistas de Shopping (Alshop) feito com 400 empresas em 30 mil pontos de venda pelo País. Os segmentos mais procurados nas compras de Natal foram moda feminina (55%), calçados (32%) e perfumes e cosméticos (31%). A Alshop avalia que o desempenho foi bom diante dos percalços do ano que prejudicaram as vendas, como greve dos caminhoneiros e as eleições. Assim, diz a associação, o Natal "salvou o ano". No total, as vendas de shoppins em 2018 cresceram 6%. 

Varejo ampliado pode fechar 2018 com incremento de 4,8%
De acordo com previsão da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), o varejo ampliado deve ter alta de 4,8% em  2018, em relação ao ano anterior, o segundo crescimento anual consecutivo. A CNC revisou a projeção, que antes era de 4,5%, após os resultados da Pesquisa Mensal de Comércio (PMC) de outubro, dados mais recentes, divulgada dia 13 de dezembro, pelo IBGE. Para o ano que vem, a CNC estima que o crescimento do varejo ampliado deva ser de 5,5%, confirmando a trajetória de recuperação da economia. O otimismo também se traduz na intenção declarada de diversos varejistas de ampliar seus negócios, voltando a ampliar o numero de estabelicimentos comerciais.

Leia as colunas anteriores:
06/11/2018
10/10/2018
28/08/2018
17/08/2018
08/08/2018